RN já recuperou empregos perdidos durante período crítico da pandemia


Apenas neste mês de julho foram 4.578 novos empregos com carteira assinada. O setor de serviços mais uma vez puxou a alta. No acúmulo do ano já são 10.716 novos postos no setor, seguido do comércio (4.667), indústria (2.180) e construção civil (1.519). A única exceção de saldo positivo de empregos no balanço dos sete primeiros meses do ano é o setor agropecuarista, com saldo de 2.279 demissões.

“A previsão é de recuperação de empregos na agropecuária com o início da safra de frutas e da cana de açúcar. Outro ponto positivo é o reaquecimento da atividade de perfuração de poços de petróleo e gás. Até agora foram contratados 46 plataformistas, 13 torristas e 12 sondadores. E o planejamento é de perfuração de novos poços de produção e injetores. Então, após muitos anos a expectativa é de reaquecimento desse mercado”, comentou o titular da pasta de Planejamento e Finanças do Estado, Aldemir Freire.

Com as altas de janeiro (+2.250), fevereiro (1.799), março (2.116), a queda de 464 empregos em abril, a retomada do crescimento em maio (2.097) e junho (4.428), o RN já superou a perda brutal de 15.720 empregos entre março e maio de 2020, no auge da pandemia. Ainda em 2020, o Estado potiguar registrou saldo positivo de 1.769 novas vagas, fruto da reabertura econômica do segundo semestre. Novembro de 2020, por exemplo, registrou a maior alta dos últimos 24 anos, com 4.796 novas empregos.

“Os dados estão ainda melhores do que eu previ e deveremos fechar o ano com mais de 20 mil novos empregos com carteira assinada”, conclui Aldemir Freire. Desde o mês de agosto de 2020, após o período mais nefasto da pandemia na economia, o RN registra seguidas altas na geração de empregos. Para efeito de comparação, entre 2015 e 2018, período da última gestão, foram perdidos mais de 18 mil postos formais de trabalho.



4 visualizações0 comentário